sábado, 10 de maio de 2014

Num dia [HC]

...
...

          Extensão do sonho com meu Pai!

... 

          Em determinado dia de 2011, fui a exame de sangue no Incor. Ao entrarmos no saguão, minha Mãe me guiou a cadeira de rodas até próximo às de espera, e assim que a parou para aguardar enquanto pegasse a senha de chamada, a pessoa sentada próximo ao corredor, me falou : 'Ó, galão ... que foi isso?' ...


          Olhei; era um sorridente Senhor de aparência 'familiar' que instantaneamente reconheci, e lhe respondi : 'Não foi nada!', e me voltei a ver os passos de minha Mãe, já pensando em mantê-la por perto, até que veio, sentou-se próxima, e O Senhor, então, passou a lhe dirigir várias palavras, visto que eu não lhe dera atenção.


          E nem podia, pela pergunta do que me ocorrera [pois decerto que sabia do fato, e minha resposta deveria ser : 'Ora, estou nesta cadeira pelo que me cumpria!'], até que Ele se levantou e, falou à minha Mãe : 'Eu tenho 2 filhos, e o mais velho me causou muitas dores de cabeça!', ao que Ela lhe respondeu : 'Filhos são assim!'.

          Nesse instante, o reconhecimento se fartou e me dirigi ao fundo do saguão. Ali fiquei, desiludido, e vi o engodo das trevas na aparência [vi muitos passarem à frente e ao lado, sem saber quem era quem - nem negligenciar desígnios] .. pois a 'história' do filho mais velho que causou dores de cabeça, extrapolava na prodigalidade, e nela, haviam muitas acusações nas 'melhores vestes' das quebras das formas [que à época, estavam em Gestação aos Véus].


          Até que o Senhor se despediu de minha Mãe e se posicionou à entrada da sala do exame, de frente para mim; de longe lhe falei por telepatia [palavras da dureza do meu coração] recebendo o silêncio por resposta ; mas de forma alguma eu poderia negar o meu sentimento naquele instante [nem em tempo algum], pois decerto que o Filho Pródigo sabia do seu caminho e fardo que carregaria!


          O Senhor ali ficou como se aparecesse por entre as portas do mundo espiritual a demostrar à carne devida que está vivo ; à semelhança de Cristo que apareceu ao lado dos discípulos em Emaús, e não o reconheceram senão depois ; diferença essa em que O reconheci imediatamente, e ali, à minha frente [ainda que à distância], seu silêncio tinha um peso descomunal : de que eu nem imaginava dos fatos para Ele ali estar, e por mim, não lhe falar.

          O que deixei de lhe falar, aqui escrevo, hoje ... e aonde Ele estiver, sabe que estas palavras são os exatos fatos que me silenciaram e as que lhe disse em Espírito [telepatia] que, por serem verdadeiras, aqui são registradas no Tempo Justo. Foi este o dia em que o Senhor nos apareceu no HC. Minha Mãe jamais falou a respeito, e guardo este dia desde então, sem saber ao certo a data [disto, me arrependo de não a ter marcado, nem de ter o canhoto do exame retido pelo HC para controle]. 

...
...

Nenhum comentário:

Postar um comentário